SIM, TEM JEITO!

SIM, TEM JEITO!

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Eu decido por mim!



Meus amores, todos os dias, sem exceção, temos que nos decidir por nós mesmos. São muitas as situações em que as pessoas sofrem demasiadamente porque não tomam a decisão por si mesmos!
A pessoa deixou você? Ela está no DIREITO dela! O que, porém, jamais pode acontecer é você se deixar! Vamos, decida-se por você!
Outro dia, numa aula, um aluno disse assim: “Não quero ser feliz, quero fazer os outros felizes”. A sala, diante deste relato, exclamou: “Ohhhhh”, como se estivessem admirados com esta expressão. Contudo, considero extremamente incoerente esta fala. Como posso fazer alguém feliz se a própria pessoa não se decidir por isso? Posso virar no avesso, porém, a decisão por abrir-se à felicidade cabe apenas e tão somente à pessoa! Outro ponto a ser observado, na fala daquele aluno, é o seguinte: fica impossível fazer alguém feliz se EU não sou feliz! Ora, em primeiro lugar é a relação do EU – COMIGO MESMO... portanto, se EU – COMIGO MESMO, não sou feliz e nem quero ser feliz, como posso fazer com que a relação EU – TU ganhe a felicidade? O TU só será feliz, primeiramente, se se decidir por isso e, em segundo lugar, se receber o reflexo do meu EU que é FELIZ.
A pessoa não gosta de você na mesma proporção que você gosta dela? Mais uma vez: decida-se por você! A questão tem que ser como EU vou decidir por mim no dia de hoje. Minha felicidade está atrelada a uma atenção que não recebi? Será que, na verdade, não é porque estou deixando de dar atenção a mim mesmo, ou seja, não estou deixando de decidir por mim mesmo? A partir do momento que começo a decidir por mim, começo a me cuidar, começo a perceber que posso mudar os rumos de minha vida e reescrever minha história.
Decidir-se por mim mesmo não é algo fácil, tendo em vista que vivemos numa sociedade que prega a constante aprovação alheia. Então, em primeiro lugar, queremos que os outros se decidam por nosso amor, por nosso carinho e por nossa atenção. Ou seja, fazemos exatamente o inverso! Eu tenho que decidir pelo meu amor-próprio (e assim afastar situações que comprometem este sentimento), tenho que decidir por ter carinho e atenção a mim mesmo! Estar atento a si mesmo significa perceber o que se QUER e o que NÃO SE QUER para a própria vida.

Finalizo dizendo: eu, André, cheio de limitações e falhas, caminho por este caminho sem fim, nunca acabado e cheio de curvas, chamado FELICIDADE, cada vez mais decidindo-me por mim mesmo... e posso lhes dizer que isto está me fazendo muito bem. Fico aqui, na torcida de que você, a cada dia, decida-se por você mesmo e ame-se verdadeiramente. Seja apaixonado por você mesmo! Isso não é narcisismo e nem egoísmo, mas apenas a condição fundamental de ser quem se é. Forte abraço: André  Massolini 

Um comentário:

  1. Era justamente o que eu estava precisando ler... Muito obrigado.

    ResponderExcluir