segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Qual o seu sonho?


Meus queridos, muitas vezes são as perguntas relativamente mais simples que não sabemos responder! Conheço pessoas que podem dissertar sobre os princípios do universo, sobre física quântica, sobre as porcentagens das ações nas Bolsas de Valores ao redor do mundo, sobre as políticas internacionais, sobre o funcionamento de um motor, sobre como deixar uma casa em ordem, sobre o processo educacional etc, etc, etc... e, no entanto, não conseguem dissertar sobre si mesmos e qual o objetivo para a própria vida!

Quantas são as pessoas que deixaram as frustrações, os percalços no caminho, os desvios, o dinheiro, entre tantos outros fatores, enterrarem seus sonhos. Quando permitimos que nossos sonhos sejam enterrados não percebemos que, com eles, nossa realização está sendo soterrada também. É por isso que, para respirar, recorremos a tantos artifícios, como por exemplo, compramos absurdamente e descontroladamente (numa tentativa de dizer que sim, minha vida está valendo a pena – e não se percebe que está valorando a própria vida à proporção do que se tem e não pelo que se é).
As frustrações são extremamente desagradáveis, sem dúvida alguma. Mas elas não podem fazer com que nossos sonhos definhem! Os percalços no caminho acontecem e sempre acontecerão, porque nossa vida não é uma linha uniforme, mas sim um gráfico irregular, constituído de altos e baixos (o importante é não perder o fio condutor, a saber: nossos sonhos). Os desvios aparecerão aos montes, como consequência das frustrações e dos percalços; é o desânimo que insiste em tomar conta de nosso peito e, assim, acabamos saindo do caminho principal (o sonho) e começamos a enveredar pelas trilhas e desvios (contentamo-nos, acomodamo-nos e conformamo-nos com a situação e, portanto, deixamos de perseguir nosso sonho). O dinheiro aparece e diz assim às pessoas: “Esquece isso aí! Isso não dá dinheiro!”; e, em muitos casos, encontraremos pessoas que abandonam os sonhos por causa do dinheiro (e não percebem que, na verdade, o dinheiro poderia vir como consequência da realização do sonho, pois seria uma pessoa que gosta do que faz e faz o que gosta).
Enfim, poderia dar muitos outros exemplos! Contudo, não quero deixar a postagem longa e cansativa. Quero apenas que você pare e pense: qual meu sonho? Diante da resposta, faça outra pergunta fundamental: o que tenho feito para alcança-lo? Jamais nos esqueçamos que nossos sonhos (que, óbvio, estão no futuro) são resultados das ações concretas que empreendemos hoje (ou seja, no presente, no já, no agora). Meus amores, nunca é tarde! A vida está aí e jamais acredite que o tempo passou! O que é o tempo? Cronometramos o tempo com segundos, minutos, horas, dias, meses, anos, décadas, séculos, milênios... e não percebemos que são apenas convenções para que nos situemos na infinitude do tempo.

Portanto, não caia na armadilha de achar que o tempo passou, que não é mais possível realizar seus sonhos! Nossos sonhos não estão impossibilitados por uma unidade de medida temporal, mas sim pelas atitudes que temos em relação a nossos objetivos. Talvez tenhamos que dar uma adequada, fazer alguns ajustes ao tempo e contexto que estamos vivendo, mas devemos, sem dúvida alguma, resgatar nossos sonhos e lutarmos para os realizarmos, adequando-os à situação na qual estamos agora. Nunca é tarde para sonhar... nunca é tarde para desenterrar os sonhos que porventura tenham ficado soterrados por algumas situações... nunca é tarde, jamais, pois o tempo é relativo, mas nossa felicidade jamais pode ser! Pense nisso! Forte abraço: André Massolini