SIM, TEM JEITO!

SIM, TEM JEITO!

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Amor incondicional na relação?


O amor incondicional é definido como aquele que não impõe condições; é aquele que ama sem esperar nada em troca.
Quem acompanha o Canal Ponto de Vista, sabe que meu ponto de vista acerca deste tipo de teoria é categórico: não acredito que tal amor combine com relacionamento amoroso! Na relação amorosa, amar e não esperar nada em troca é, a meu ver, anular-se. É criar uma dependência amorosa e, justamente por isso, aceita-se absolutamente tudo que o outro faz – ainda que esteja colocando-se à margem da própria vida e deixando o amor próprio de lado. É o tipo de situação em que a pessoa apenas entrega, apenas oferta e não recebe nada ou, quando muito, recebe algumas migalhas.
Há pessoas que vão dizer que este é o tipo de amor mais sublime que existe, pois é o amor desinteressado! É o amor que ama sem esperar nada! É o amor que simplesmente ama! É o “amor-entrega”, o amor-doação. Respeito quem pensa assim. Porém, continuo achando que, na verdade, este tipo de atitude, EM RELAÇÃO AMOROSA, está muito mais ligado a dependência, preenchimento de carências, falta de amor próprio etc, do que com algo “sublime” e um amor profundo e verdadeiro. Aliás, para mim, amor profundo e verdadeiro, em relacionamento amoroso, não combina com sofrimento e anulação!

E vou além em meu raciocínio: será que, de fato, é um amor incondicional? Será que, de fato, é um amor que ama de forma desinteressada? Ora, a partir do momento que a pessoa aceita a desconsideração da outra pessoa, a partir do momento que oferece o seu melhor - mesmo não recebendo nada em troca -, será que, na verdade, não está fazendo isso justamente porque não quer ser deixada? Será que não aceita as humilhações porque tem medo de perder a outra pessoa, ainda que ela esteja dando apenas migalhas? Está amando e fazendo de tudo porque não quer que a outra se afaste. Ora, então podemos dizer que está fazendo tudo o que faz porque, na verdade, tem interesse que a outra pessoa permaneça ao seu lado. Logo, não é um amor desinteressado!

Conseguiu acompanhar meu raciocínio? É por isso que nem naquelas situações em que as pessoas dizem que “o que importa é que elas  estão amando e não esperam nada em troca”, continuo não acreditando no desinteresse deste amor! Elas têm interesse sim! Interessam-se em ter a pessoa ao lado delas (e nem percebem que isto, na realidade, é por causa da dependência amorosa que criaram). É por isso que devemos mergulhar, sem medo, no mais profundo do nosso ser e mexer e remexer nos porquês. É perguntar porque sinto o que sinto; é colocar em dúvida as próprias certezas; é analisar se não estamos nos iludindo com uma visão maquiada do amor, a fim de esconder as imperfeições de nosso próprio eu (carências e inseguranças, por exemplo). Quando fazemos isso, criamos a possibilidade de nos encararmos como somos, de encararmos a situação real e de percebermos quais são as máscaras e maquiagens que estamos usando em nível sentimental e, com isso, conseguimos nos libertar de muitas amarras emocionais. Pense nisso! Forte abraço: André Massolini